Notícias

15/06/2012
Iza Franca

Pesquisa revela “hábitos e atitudes” de pediatras sobre as fórmulas infantis

A ResultaCNP®, empresa especializada em estudos e pesquisas, finalizou pesquisa idealizada pela Mead Johnson Nutrition que revela os “Hábitos e Atitudes de Pediatras”. O estudo, realizado com 100 profissionais dos estados de São Paulo e Rio de Janeiro, em novembro e dezembro de 2011, aponta os principais cuidados sobre a amamentação e quais nutrientes são os mais relevantes para o crescimento e desenvolvimento dos bebês, na opinião dos pediatras consultados.

100% dos médicos pesquisados apoiam e estimulam o aleitamento materno e na sua falta utilizam fórmulas infantis. “Não existe alimento melhor para o bebê do que o leite materno. Nele estão todos os nutrientes essenciais para o ótimo desenvolvimento da criança. Como profissionais, nossa missão principal é estimular e reforçar a amamentação”, explica o pediatra e nutrólogo Dr. Mário Cícero Falcão.

Perguntado aos pediatras quais nutrientes eles consideram mais importante nos primeiros meses de vida, 45% disseram ser o Ferro, 42% Proteínas, 39% DHA (ácido docosahexaenoico), 34% ARA (ácido araquidônico) e o cálcio foi mencionado em quinto lugar. “Ressalta-se que estes nutrientes têm impacto positivo no desenvolvimento neurológico da criança” como também informa o Dr. Mário Cícero Falcão.

Nutrientes mais importantes em uma fórmula infantil:

Indagados sobre a importância de cada nutriente citado por eles, 76% disseram que o Ferro é importante para evitar anemia; 26% que a Proteína é para o crescimento, 79% que DHA e ARA auxiliam no desenvolvimento mental e mais de 30% que DHA E ARA também auxiliam no desenvolvimento visual. Quase todos (93,3%) consideraram o cálcio importante para formação óssea.

Nutrientes Benefício
Ferro Evita anemia
Proteínas Auxilia no crescimento
DHA / ARA Auxilia no desenvolvimento mental e visual
Cálcio Ajuda na formação óssea

A importância do DHA e ARA é reforçada por diversas pesquisas no mundo que revelam os grandes atributos desses neuronutrientes. O estudo Drover, realizado em Dallas, Estados Unidos, que avaliou 229 lactentes, e utilizou o método Willats de avaliação da capacidade de resolução de problemas, provou que bebês que ingeriram DHA e ARA em níveis e proporções adequadas possuem desenvolvimento mental superior aos bebês que não receberam esses neuronutrientes.

O teste demonstra como lactentes alimentados com esses neuronutrientes, aos 9 meses, conseguem resolver facilmente problemas. Feito em 2 etapas, onde na primeira um brinquedo é apresentado a criança e posteriormente é escondido abaixo de um pano. As crianças que ingeriram as quantidades adequadas de DHA e ARA conseguiam rapidamente e sem perder a concentração na situação, levantar o pano descobrindo o brinquedo e agarrando-o, enquanto o outro grupo perdia o foco na ação e acabava não encontrando o brinquedo não resolvendo o problema proposto.

Já o estudo Diamond, realizado em Dallas e Kansas, Estados Unidos, comprova que DHA e ARA nos níveis e proporções adequadas são fundamentais para a maturação da acuidade visual e suas funções durante os primeiros meses de vida. O estudo realizado com 343 lactentes sadios, divididos em quatro grupos (cada um recebeu uma fórmula infantil com quantidade diferente de DHA), mostrou que bebês alimentados com uma fórmula sem DHA apresentaram, aos 12 meses de idade, uma acuidade visual significativamente menor do que os bebês que receberam uma das fórmulas com DHA e ARA. Sendo 0.32% de DHA e 0.6%de ARA os níveis suficientes para alcançar os benefícios desses neuronutrientes, níveis maiores que esses são desnecessários.

Exemplo dos resultados do estudo Diamond, na figura abaixo, a esquerda percebemos que bebês não alimentados com DHA e ARA são prejudicados na acuidade visual nos primeiros meses de vida, já os outros três grupos que receberam diferentes níveis e quantidade desses neuronutrientes mostram que dar mais do que o recomendado (0.32%) não faz diferença no desenvolvimento visual (imagem meramente ilustrativa).

Por fim, perguntados sobre os atributos mais importantes de uma fórmula infantil, os pediatras disseram o desenvolvimento mental (20,1%) em primeiro lugar, seguido por fortalecimento do sistema imunológico (11,7%) e ganho de peso e altura (10,9%).

Resumo dos principais resultados

  • Os pediatras consideram o Ferro (45%), Proteínas (42%), DHA     (39%) e ARA (34%) como os nutrientes mais importantes nas fórmulas infantis.
  • Bebês que recebem os níveis e proporções adequadas de DHA e ARA são favorecidos de desenvolvimento mental e acuidade visual.(conforme provado no estudo Drover e Diamond).
  • Com 20% dos médicos, o desenvolvimento mental é o atributo mais importante para os bebês. Seguido por fortalecimento do sistema imunológico (12%) e ganho de peso e altura (11%)
  • 79% mencionam que o DHA auxilia no desenvolvimento mental.

Metodologia: O método aplicado foi o descritivo de pesquisa, com foco quantitativo e coleta de dados por meio de entrevistas pessoais. Foram entrevistados 100 pediatras de São Paulo (capital e interior) e Rio de Janeiro (capital). A ResultaCNP® adotou recrutamento para selecionar amostra. Os médicos entrevistados atendem, em média, 372 crianças por mês em consultórios ou clínicas (70%), hospitais públicos (16%) e particulares (14%).

Sobre a Mead Johnson Nutrition

A Mead Johnson Nutrition – empresa fabricante de complementos alimentares e fórmulas infantis – foi fundada nos Estados Unidos há mais de um século e está presente em mais de 60 países, incluindo o Brasil, onde opera há mais de 50 anos. Sua missão é proporcionar a melhor nutrição no início da vida para as crianças do mundo inteiro, além de levar a seus consumidores todos os benefícios de uma nutrição de qualidade.

As fórmulas infantis da Mead Johnson têm a quantidade ideal dos ácidos graxos DHA e ARA, responsáveis pelo desenvolvimento cerebral e cognitivo da criança. Os mesmos componentes são encontrados, principalmente, no leite materno ou em fórmulas infantis, quando não há possibilidade de a mãe amamentar o filho.

Quer saber mais? Clique aqui!

Fonte: S2Publicom


14/06/2012
Iza Franca

Não esqueça: Sábado é dia de vacinação contra a poliomielite

O ministro da saúde, Alexandre Padilha, anunciou nesta quarta-feira (13) a realização de mais uma campanha nacional de vacinação contra a poliomielite. A campanha inicia neste sábado (16), se estendendo até o dia 06 de julho, e será realizada em parceria com estados e municípios. A meta é imunizar, contra a paralisia infantil, 95% do total de 14.1 milhões de crianças menores de cinco anos de idade, o que representa 13,5 milhões. Neste sábado, o ministro participa, em Minas Gerais, do Dia D de mobilização nacional. Todas as crianças menores de 4 anos, 11 meses e 29 dias devem tomar as duas gotinhas, mesmo que já tenha sido vacinadas.

12/11/2011
Iza Franca

Só para crianças!

A criançada está adorando a ideia da Netflix, e os pais também.  É que a empresa, líder no segmento, acaba de lançar uma experiência pra lá de divertida e segura para toda a família, a seção “Só para crianças”.

O conteúdo dessa seção foi feita especialmente para crianças de até 12 anos.  O catálogo além de fácil ficou bastante seguro, é possível bloquear a programação e deixar o baixinho livre para explorar e se divertir. Bob Esponja, Dora, a Exploradora, Phineas e Ferb, Elmo, Toy Story, Barney e seus amigos, são alguns dos filmes e programas de TV para crianças disponíveis para assistir online pela Netflix na América Latina.

“As crianças escolhem os programas de TV e filmes a que desejam assistir de maneira única. O processo delas é diferente dos adultos”, diz David Watson, diretor de Inovação de Produtos da Netflix.

A empresa oferece em seu pacote conveniência e valor acessível, com várias opções de filmes internacionais, locais e de Hollywood, além de séries. A Netflix revolucionou o entretenimento ao proporcionar às pessoas a opção de assistir ao que quiserem e quando quiserem por um valor mensal baixo, por meio de vários aparelhos conectados à Internet.

A seção “Só para crianças” da Netflix está disponível atualmente na América Latina para PC e Mac, e também no videogame Nintendo Wii. Durante o próximo ano, vários outros aparelhos também terão uma funcionalidade similar.

Ainda não conhece? Clique aqui abra sua conta, depois de cadastrado clique na guia “Só para crianças” no topo da página inicial da Netflix e curta seus filmes e programas predileto com seus filhos.

Quer mais?  Se você é cadastrado nesse site já está concorrendo a um ano de Netflix grátis.  Acompanhe o resultado por aqui no próximo dia 30 de novembro.

30/09/2011
Iza Franca

Dia Nacional de Doação do Leite Materno

Ampliada rede de bancos de leite materno com mais 21 unidades

Ministério da Saúde anuncia criação de 21 unidades nas regiões norte e nordeste. Medida vai ampliar assistência principalmente a bebês prematuros. Neste sábado (1º) é comemorado o Dia Nacional de Doação de Leite Humano

Em comemoração ao Dia Nacional de Doação de Leite Humano (1º de outubro), o Ministério da Saúde anunciou, na tarde desta quinta-feira (29), a ampliação da rede de bancos de leite materno a partir da criação de mais 21 unidades e, ainda, a aquisição de 56 novos equipamentos de pasteurização. Essas estruturas serão direcionadas a localidades prioritárias do Norte e Nordeste, com o objetivo de atender a crescente demanda nestas regiões e manter os padrões de qualidade na captação e oferta do leite doado. O reforço na rede foi anunciado pela secretária-adjunta de Atenção à Saúde do Ministério da Saúde, Cleusa Bernardo, durante o lançamento da Campanha Nacional de Doação de Leite Humano 2011, na sede da Fundação Oswaldo Cruz (Fioruz), em Brasília.
 
 “Temos 203 bancos de leite em um país tão grande como o nosso, presentes em cada estado. Mas, continuamos trabalhando para priorizar a saúde da criança e da mulher, assim como estabelece a Rede Cegonha”, afirmou. “Agradecemos a todas as mães que doam leite, que contribuem para salvar a vida de tantos bebês”, concluiu a secretária-adjunta.  A Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano é reconhecida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como a maior e mais complexa do mundo. Atualmente são 203 bancos de leite e 106 postos de coleta implementados no país. E, continuamente, o governo federal investe na ampliação e modernização da capacidade dos bancos de leite e também na qualificação dos profissionais que atuam nesta área.
 
“Esses novos bancos de leite humano reafirmam o compromisso do Ministério da Saúde em investir na qualidade dos serviços prestados à população, e nesse caso específico, à mãe e ao bebê prematuro que dependem desse apoio”, destacou João Aprígio, coordenador da Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano, vinculada à Fiocruz. Ele explicou ainda que, neste segmento, o Brasil possui uma posição de liderança no cenário internacional. “Exportamos este tipo de tecnologia para 23 países”, acrescentou Aprígio.
Por ano, são recolhidos cerca de 150 mil litros de leite humano, que passam pelo processo de pasteurização e adquirem qualidade certificada para serem distribuídos a mais de 135 mil recém-nascidos; principalmente, àqueles que estão hospitalizados.

CAMPANHA –Com o slogan “Para você é leite. Para a criança é vida”, o Ministério da Saúde lançou, nesta quinta-feira (29), a Campanha Nacional de Doação de Leite Humano 2011, que tem como madrinha a apresentadora Luciana Gimenez. “Me considero uma mãe de muita sorte, pois amamentei meus dois filhos. Sou consciente que o leite materno é muito importante para a saúde do bebê”, observou Gimenez, na ocasião do lançamento da campanha, cujo objetivo é mobilizar e conscientizar a população sobre a importância da doação como também aumentar o volume anual de leite humano coletado.

Por ano, cerca de 115 mil mães participam deste gesto de solidariedade e amor, que beneficia mais de um milhão de mulheres, gestantes e nutrizes que recorrem aos Bancos de Leite Humano em busca de apoio assistencial para amamentar diretamente seus filhos. Ações incentivadoras ao consumo de leite materno pelas crianças menores de dois anos contribuem para reduzir a desnutrição e a mortalidade infantil, que, além de ser um dos Objetivos do Milênio, é uma das principais metas da Rede Cegonha. A estratégia – lançada pela presidenta Dilma Rousseff em março deste ano, sob a coordenação do Ministério da Saúde – constitui-se em medidas direcionadas à melhoria da atenção à saúde da mulher e do bebê (até o segundo ano de vida da criança).

MOBILIZAÇÃO -Outra novidade é que, a partir do próximo ano, a doação de leite humano ganhará uma data comemorativa internacional: 19 de maio. O Brasil propôs a criação deste dia e dá início a uma mobilização mundial a favor da valorização da doação de leite materno. A data foi definida em homenagem à assinatura da 1º Carta de Brasília. Este documento concentra os esforços internacionais para o enfrentamento da mortalidade infantil e aponta as estratégias relacionadas aos bancos de leite humano para o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio até 2015, conforme estabelecido pela Organização das Nações Unidas (ONU).

QUALIFICAÇÃO –Os 28 Centros de Referência Estaduais que integram a Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano utilizarão, a partir deste ano, uma ferramenta de gestão chamada BLH-WEB, que permite a certificação da qualidade dos bancos de leite. Este dispositivo traz, como diferencial, a possibilidade de monitoramento e avaliação das unidades bem como permite assessoria técnica remota em tempo real.  A ideia é que a utilização da BLH-WEB passe a ser utilizada por todos os 203 bancos de leite do país. A apresentação desta ferramenta consta da programação do III Encontro Nacional de Referências Estaduais de Bancos de Leite Humano.

SOLIDARIEDADE –O leite materno para os recém-nascidos (principalmente, os hospitalizados) é muito mais que um simples alimento, pois aumenta as chances de recuperação do bebê se a alimentação exclusiva com ele for possibilitada durante o período em que a criança está impossibilitada de ser amamentada pela mãe. Isto geralmente ocorre nos casos em que o bebê está internado em UTI neonatal.

Para ser uma doadora, a mulher precisa, além de  apresentar excesso de leite, ser saudável, não usar medicamentos que impeçam a doação e se dispor a ordenhar o leite e a doar o excedente. Para realizar a doação, a lactante deve entrar em contato com o banco de leite de sua cidade para receber o frasco esterilizado, no qual depositará o leite. Depois disso, deverá manter o frasco no congelador ou freezer e aguardar que uma equipe vá à casa dela para o recolhimento do leite doado. Em algumas cidades, os bancos de leite humano realizam parcerias com outros órgãos para a coleta do leite doado.

Fonte:  Tinna Oliveira, da Agência Saúde
Atendimento à imprensa (61) 3315-6249/3580
www.portaldasaude.com.br

Foto: Divulgação

15/09/2011
Iza Franca

Pesquisa: Crianças já temem riscos na internet

Foto:divulgação

As crianças brasileiras estão cada vez mais conscientes sobre os riscos que a exposição na internet pode trazer. Este é um dos resultados do estudo “Kids Experts 2011”, divulgado nesta quarta (14) e elaborado pela Turner International do Brasil. Segundo o levantamento, 72% do público de 6 a 11 anos fecha seu conteúdo nas redes sociais somente para amigos, e a maioria só se relaciona com quem conhece pessoalmente e encontra com frequência. 

“Tínhamos ideia de que essa preocupação iria surgir na pesquisa, mas o surpreendente foi o fato de, em nome da segurança, as crianças não se importarem em abrir suas senhas e seus perfis nas redes sociais para os pais”, afirma a gerente do departamento de pesquisa da Turner, Renata Policicio. “Elas têm consciência de que participar de redes sociais significa se mostrar publicamente e que devem tomar cuidado com o que exibir neste ambiente”, acrescenta a executiva. 

Pais brasileiros são os mais controladores na América Latina

No geral, o estudo mostra que os pais brasileiros são os mais controladores da América Latina: 97% das crianças têm restrições para navegar na internet. “Especialistas ouvidos para o levantamento indicam que as crianças abaixo de 11 anos vão ser melhores orientadas sobre questões de segurança e privacidade justamente porque seus pais têm mais experiência com a internet e as redes sociais hoje”, diz a executiva.

Embora a exigência das redes sociais seja de que os usuários tenham pelo menos 13 anos de idade, 88% das crianças e 95% dos adolescentes (de 12 a 17 anos) participam de alguma rede no Brasil. Em média, os mais novos estão duas, enquanto os adolescentes em três. “Poucas crianças criaram seus perfis sozinhas. Elas tiveram ajuda de familiares e amigos”, complementa Renata. E mais: os pequenos estão cada vez mais cedo nesta plataforma: a idade média de entrada é de seis anos.

A pesquisa mostra que a diversão é o centro de toda a experiência online para as crianças. No caso das redes sociais, 72% do público de 6 a 11 anos usa este ambiente para jogar. Em seguida, aparecem como atividades mais frequentes a comunicação com amigos (46%) e ver vídeos e fotos dos colegas (42%). “A internet é mais uma plataforma para as crianças fazerem o que sempre fizeram: brincar. Elas reproduzem na web a diversão que também encontram offline”, comenta Renata. Para os adolescentes, entretanto, os jogos perdem espaço para a música; a comunicação com amigos e sociabilização – o que também é um reflexo do universo fora da internet.

O levantamento do Cartoon Network revelou ainda que crianças e adolescentes na América Latina postam comentários positivos sobre produtos e marcas: 24% do público de 6 a 11 anos e 42% do de 12 a 17 anos informam dar opiniões sobre estes temas. “No caso dos adolescentes, por exemplo, para ser relevante, uma marca tem de estar alinhada à imagem e à personalidade que o público quer transmitir nas redes sociais”, afirma Renata Policicio.

Neste ano, o estudo realizou 3.750 entrevistas online em cinco países da América Latina – Brasil, Argentina, Colômbia, México e Venezuela. O universo pesquisado foi de pessoas entre 6 a 49 anos das classes ABC, com análise dos seguintes perfis: crianças de 6 a 11 anos, adolescentes de 12 a 17 anos e adultos de 18 a 49 anos. Também foi realizada uma fase qualitativa, além de entrevistas com especialistas. “O conhecimento de nosso público é fundamental. Esta é uma maneira de prover melhor conteúdo em qualquer plataforma”, finaliza o vice-presidente de vendas publicitárias e marketing da Turner para América Latina, Rafael Davini.

 Fonte: ProXXima

13/08/2011
Iza Franca

Cineminha com o papai!

CineMaterna faz uma sessão especial para que os pequenos sejam acompanhados pelos pais neste fim de semana

Se eram apenas as mães que acompanhavam os pequenos nas sessões de cinema do CineMaterna, os pais terão sua vez neste fim de semana, com sessões exclusivas para eles e seus filhos.

Neste sábado (13), véspera do Dia dos Pais, o CinePaterna terá uma programação especial em 11 cidades do circuito, com ingressos gratuitos. O evento conta com a participação da Fisher-Price e da Natura Mamães e Bebê.

Este é o segundo ano do CinePaterna, que ocorrerá nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Vitória, Porto Alegre, Florianópolis, Curitiba, Salvador, Recife, Brasília, Campinas e Santos.

Os pais participantes podem retirar os ingressos no próprio sábado, antes da sessão. Ele precisa estar com a certidão de nascimento do pequeno em mãos. As mães acompanhantes também têm direito ao ingresso. Podem participar bebês de até 18 meses.

Confira a programação:

Rio de Janeiro
13/08, Sábado, Cilada.com
CinePaterna by Fisher-Price
Cinemark Downtown
Horário: 11h
Preço: grátis para pai e mãe com seu bebê de até 18 meses. Ingressos limitados sujeitos a lotação da sala. Demais acompanhantes pagam R$16 (inteira) e R$ 8 (meia)
Sala: 8
Local: Downtown, Av. Das Américas, 500

Vitória
13/08, Sábado, Os Smurfs (2D, dublado)
CinePaterna by Fisher-Price
Cinemark do Shopping Vitória
Horário: 11h
Preço: grátis para pai e mãe com seu bebê de até 18 meses. Ingressos limitados sujeitos a lotação da sala. Demais acompanhantes pagam R$ 17 (inteira), R$ 8,50 (meia)
Sala: 4
Local: Shopping Vitória, Avenida Américo Buaiz, 200

Brasília
13/08, Sábado, Cilada.com
CinePaterna by Fisher-Price
Cinemark do Iguatemi Brasília
Horário: 11h
Preço: grátis para pai e mãe com seu bebê de até 18 meses. Ingressos limitados sujeitos a lotação da sala. Demais acompanhantes pagam R$ 18 (inteira), R$ 9 (meia)
Sala: 6
Local: Shopping Iguatemi SHIN/Norte, Quadra CA-04, Lote A, piso superior

Porto Alegre
13/08, Sábado, Os Smurfs (2D, dublado)
CinePaterna by Fisher-Price
Cinemark Bourbon Ipiranga
Horário: 11h
Preço: grátis para pai e mãe com seu bebê de até 18 meses. Ingressos limitados sujeitos a lotação da sala.  Demais acompanhantes pagam R$ 13 (inteira), R$ 6,50 (meia)
Sala: 4
Local: Shopping Bourbon Ipiranga, Av. Ipiranga, 5.200

Florianópolis
13/08, Sábado, Os Smurfs (2D, dublado)
CinePaterna by Fisher-Price
Cinemark Floripa Shopping
Horário: 11h
Preço: grátis para pai e mãe com seu bebê de até 18 meses. Ingressos limitados sujeitos a lotação da sala. Demais acompanhantes pagam R$15 (inteira), R$ 7,50 (meia)
Sala: 4
Local: Floripa Shopping Rodovia SC-401, 3116

Curitiba
13/08, Sábado, Os Smurfs (2D, dublado)
CinePaterna by Fisher-Price
Cinemark do Shopping Mueller
Horário: 11h
Preço: grátis para pai e mãe com seu bebê de até 18 meses. Ingressos limitados sujeitos a lotação da sala. Demais acompanhantes pagam R$ 15 (inteira) e R$ 7,50 (meia)
Sala: 8
Local: Av. Candido de Abreu, 127

Recife
13/08, Sábado, Assalto ao banco central
CinePaterna by Fisher-Price
UCI Cinemas Shopping Recife
Horário: 10h30
Preço: grátis para pai e mãe com seu bebê de até 18 meses. Ingressos limitados sujeitos a lotação da sala. Demais acompanhantes pagam R$18 (inteira) e R$ 9 (meia)
Sala: 7
Local: Shopping Recife, Av. Padre Carapuceiro 777

Salvador
13/08, Sábado, Os Smurfs (2D, dublado)
CinePaterna by Fisher-Price
Cinemark Salvador Shopping
Horário: 11h
Preço: grátis para pai e mãe com seu bebê de até 18 meses. Ingressos limitados sujeitos a lotação da sala. Demais acompanhantes pagam R$17 (inteira) e R$ 8,50 (meia)
Sala: 8
Local: Salvador Shopping, Av. Tancredo Neves, 2.915

São Paulo
13/08, Sábado, Capitão América: O primeiro vingador (2D, legendado)
CinePaterna by Fisher-Price
Cinemark Shopping Market Place
Horário: 11h
Preço: grátis para pai e mãe com seu bebê de até 18 meses. Ingressos limitados sujeitos a lotação da sala. Demais acompanhantes pagam R$ 18 (inteira), R$ 9 (meia)
Sala: 3
Local: Shopping Market Place, Av Dr Chucri Zaidan 902

13/08, Sábado, Os Smurfs (2D, dublado)
CinePaterna by Fisher-Price
UCI Cinemas Shopping Anália Franco
Horário: 10h30
Preço: grátis para pai e mãe com seu bebê de até 18 meses. Ingressos limitados sujeitos a lotação da sala. Demais acompanhantes pagam R$ 15 (inteira), R$ 7,50 (meia)
Sala: 1
Local: Shopping Anália Franco, Av. Regente Feijó 1759

Fonte: http://migre.me/5u35M

13/08/2011
Iza Franca

Educar, Educar, Educar!

Falando sério, pare um minuto, veja esses dois videos com atenção, reflita, mude, transforme!

Depois de assistir esse http://migre.me/5u2sN agora assita esse outro http://migre.me/5u22q em resposta a proibição do comercial.

Só com Educação é possível mudar!

06/04/2011
Iza Franca

Pesquisa revela o impacto na vida dos filhos quando a mulher não abre mão da carreira

Estudo inédito realizado com 500 crianças e jovens, de 6 a 22 anos, da classe AB, na cidade de São Paulo, mostra a realidade dos filhos diante da entrada maciça das mulheres no mercado de trabalho

As inquietações são sempre as mesmas quando as mulheres assumem a maternidade sem abrir mão da vida profissional. Elas se tornam “equilibristas” na tentativa de conciliar várias atividades. Mas surgem, inevitavelmente, vários questionamentos quando os filhos estão envolvidos nesse processo. Qual o impacto na vida do meu filho a partir do momento que optei por trabalhar fora e dedicar menos tempo a ele? Será que ele é ou será feliz?

Para obter uma leitura mais realista do que passa na cabeça e coração desses filhos diante do dilema das mulheres modernas, a psicóloga, escritora e mãe, Cecília Russo Troiano, ouviu 500 crianças e jovens, de 6 a 22 anos, sendo metade filhos de mães que trabalham e metade de mães que não trabalham fora, da classe AB, na cidade de São Paulo. A pesquisa combinou análises qualitativas e quantitativas. Também foram entrevistados diversos profissionais que se relacionam direta e indiretamente com esses jovens (pediatra, professoras, terapeutas, entre outros).

Esse estudo deu origem ao livro “Aprendiz de equilibrista: Como ensinar os filhos a conciliar família e carreira”, que a Editora Évora lançará este mês, pelo selo Generale. É um projeto inovador, pois mostra pela primeira vez na literatura brasileira o olhar dos filhos sobre o fenômeno social da entrada maciça das mulheres no mercado de trabalho. O livro discute o tema abordando duas óticas: uma relacionada à vivência do presente e outra ao projeto de futuro dos filhos. Cada uma dessas óticas constituirá uma parte do livro. Também é proposta da autora trazer as principais questões relacionadas a essas vivências e oferecer dicas concretas para pais e mães.

O livro apresenta pontos que identificam, longe dos rótulos de geração A, B, X, Y ou Z, os jovens que convivem com a realidade dos pais e que já aprenderam a se manter e a conciliar a rotina de atividades escolares e extracurriculares, mas com qualidade de vida. Mostra ainda que os pais estão conseguindo, por sua vez, atingir com êxito o maior dos desafios: formar cidadãos conscientes do papel na sociedade desde a mais tenra idade, se isso é bom ou ruim cada um vai ter que apostar para saber, mas certamente a geração que está sendo formada faz parte de uma elite que não desanima por qualquer coisa e que desafios serão sempre preconizadores do sucesso em qualquer empreitada.

Mas não há só o lado da mãe que trabalha em “Aprendiz de equilibrista”, em dado momento a autora exemplifica sua pesquisa com a postura masculina e traz como exemplo o comportamento de um pai equilibrista que pode ser bem enaltecedor – o de Barack Obama – onde explica que o presidente fecha a agenda na Casa Branca para marcar presença em ocasiões importantes como um recital de flauta de Malia ou um jogo de futebol de Sasha. “O presidente da nação mais poderosa do mundo serve como exemplo de uma geração de homens que estão cada vez mais envolvidos com a vida familiar”, destaca Cecilia.

Conclusões do estudo:
As crianças hoje encaram com naturalidade o fato de ambos os pais trabalharem e também percebem desvantagens quando a mãe não trabalha fora. Numa escala de 1 a 5, atribuem 4,6 para a afirmação: “acho natural minha mãe trabalhar fora”.  Vários sentimentos estão envolvidos na relação com ambos os pais: a saudade e a falta de tempo são alguns deles. Mas todos concordam que não dá para viver sem os frutos do trabalho e têm ampla consciência de que, quanto mais bem-sucedidos os pais, maiores os benefícios para si (boas escolas, brinquedos, viagens, lazer). 

Questionados sobre porque o pai e a mãe trabalham, o repertório de explicações apontam, em primeiro lugar, para ganhar dinheiro, em segundo lugar, para dar uma vida melhor à família, depois para comprar coisas para os filhos e, em quarto lugar, porque eles gostam.

Amiga e carinhosa são atributos clássicos associados às mães e os que encabeçam a lista na hora dos jovens definirem suas mães.  Mas, trabalhadora é o primeiro adjetivo citado, com 55% de menções, pelos filhos das mães que trabalham, além disso, a consideram menos protetora e mais inteligente do que os filhos das que não trabalham fora de casa. Todos, sem exceção, elegeram uma imagem da mulher na cozinha como representativa da mãe – ou seja, trabalhe ou não fora, ela ainda é responsável por alimentar a família.

O modelo tradicional de paternidade, o do provedor, ainda é a imagem mais forte na mente dos filhos: 64% apontam essa característica para definir o pai. Mas depois de trabalhador, a segunda palavra associada aos pais é brincalhão, o que mostra que os homens têm mais tempo e disposição mental para viver momentos de lazer com sua prole. Na hora de escolher imagens que representem o pai, as crianças escolheram várias associadas ao mundo profissional, mas uma das campeãs foi a do pai relaxando, sem fazer nada!

Muitos filhos não sabem qual é exatamente o trabalho dos pais. Curiosamente, as meninas sabem mais do que os meninos. Em geral, os filhos sabem mais sobre o trabalho da mãe do que dos pais. Provavelmente, as mães justificam mais a sua ausência e dão mais detalhes sobre os motivos de estar fora de casa. Pode ainda existir o estilo de pai mais fechado, que divide pouco os assuntos profissionais com a família.

Em geral, os filhos têm orgulho de ambos os pais, atribuindo uma nota alta para esse sentimento. Em média, atribuem um orgulho igual a 9 em relação à mãe, trabalhando ou não fora de casa, numa escala que vai de 0 a 10. Curiosamente, pais cujas esposas não trabalham fora geram mais orgulho do que pais que dividem o sustento da família com a mulher (9 x 8.4).

E as crianças se adaptam ao que vivenciam. Prova disso é que, quase na mesma intensidade, os filhos estão satisfeitos com a opção da mãe de não trabalhar ou de trabalhar fora. Em ambos os casos, 75% aprova a decisão da mãe, seja ela qual for.

Em um termômetro medindo a felicidade dos filhos (de 13 a 22 anos), a nota média dada por eles mesmos foi de 8,5, sejam filhos de mães que trabalham fora ou mães em período integral.  Ou seja, estão bem felizes e mais do que isso, essa felicidade não tem relação direta com a ocupação de suas mães.

Os pais servem como modelo de vida, pois muitos querem família e filhos. Para as meninas, nem aparece a opção de não trabalhar, portanto serão todas equilibristas. A maioria dos jovens sonha trabalhar menos do que seus pais, tendo mais tempo para si e para a família. Na geração dos pais, almejava-se a conquista, o poder e o acúmulo de bens, a geração de nossos filhos, típicos representantes da geração Y (jovens da atualidade) briga por satisfação no trabalho e equilíbrio entre vida profissional e pessoal. 

Quais os modelos e referências dessas crianças e jovens? Quais as características e os sonhos da geração Y? Todos buscam ser bem-sucedidos, se divertir e conquistar rapidamente o que desejam. Entre os participantes da pesquisa desenvolvida, no futuro, as meninas se enxergam bonitas, profissionais e mães e os meninos se imaginam bonitos, independentes, com família e um trabalho bacana. Enfim, serão mesmo equilibristas!

A mulher equilibrista continuará com muitas funções, mas irá definir melhor suas prioridades. Sua vida será melhor equacionada e menos sofrida, pois haverá mais opções para ajudá-la (já que o equilibrismo será o padrão). Novas tecnologias e consumo sustentável influenciarão a rotina das famílias e o papel dos homens crescerá, pois eles irão ajudar mais na criação dos filhos. Essa geração deve pensar melhor o ganhar x o usufruir, alcançando maior equilíbrio.

Sobre a autora:
Cecília Russo Troiano é psicóloga formada pela PUC-SP e Diretora Geral e sócia do Grupo Troiano de Branding. Autora do livro “Vida de Equilibrista: dores e delícias da mãe que trabalha”, Editora Cultrix. Colunista do portal e comunidade Vila Mulher (www.vilamulher.com.br), das revistas RA e do seu próprio blog, www.vidadeequilibrista.com.br. Autora de diversos textos e artigos sobre a mulher, também é palestrante. Casada e mãe de dois adolescentes.

Sobre o livro:
Título: Aprendiz de Equilibrista
Subtítulo: Como ensinar os filhos a conciliar família e carreira
Lançamento: dia 14 de abril, na Livraria da Vila – Rua Fradique Coutinho – Vila Madalena (SP)
Autora: Cecília Russo Troiano
Origem: Brasil
Assunto: comportamento, feminino, masculino, infantil, juvenil, trabalho, educação.
Preço: R$ 29,90
Páginas: 148 páginas
Formato: 16×23 cm.
ISBN: 978 85 63 993 15 1
Edição: 1ª edição
Acabamento: brochura

Informações para Imprensa:
Polyanna Rocha – polyanna@dfreire.com.br – (11) 5505-8922
Mônica Ferreira – monica@digitaltrix.com.br – (11) 6370-7048

22/12/2010
Iza Franca

Vencedoras da promoção

Parabéns para Patricia Toddai e Alana.

Elas foram as vencedoras da I premiação do nosso site.

Cada uma vai ganhar a coleção CD´s  As melhores da pré-escola e mais um brinde surpresa. Entrem em contato para que possamos acertar os detalhes do envio: fale@criancafalacadauma.com.br ou izafranca1@gmail.com

22/12/2010
Iza Franca

Desconto na cadeira de bebê

A SulAmérica Seguros e Previdência, em parceria com a rede de hipermercados Walmart, oferece 10% de desconto na compra de cadeirinhas de bebê e assentos de elevação. O uso da cadeira no transporte de crianças em veículos automotivos tornou-se obrigatório desde 1º de setembro de 2010. O desconto é exclusivo para compras realizadas pelo hotsite do Walmart.

Páginas:«123»